Mercado » Setor Público » BNDES libera R$ 723 milhões para parques eólicos no Nordeste

BNDES libera R$ 723 milhões para parques eólicos no Nordeste

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento para instalação de complexos eólicos no Piauí e na Bahia, projetados para fornecer um total de 264,4 MW, o que representa 5,34% de toda capacidade de geração eólica no Brasil em 2014, quando já houve um crescimento de 126,7%. Os investimentos nesses dois novos parques totalizam R$ 1,2 bilhão.

Os sete parques do Piauí, no município de Simões, contam com investimentos de R$ 910 milhões, dos quais o BNDES entra com R$ 621 milhões. As usinas terão potência instalada total de 210 MW e devem entrar em operação no segundo semestre do ano. Segundo a Ventos de São Tito Holding, empresa controladora dos parques eólicos no estado, a construção vai gerar cerca de 1,2 mil empregos na região.

Na Bahia, o Complexo Eólico Caetité, no município do mesmo nome, é composto de três parques eólicos, que vão gerar 54,4 MW. O orçamento de R$ 309,1 milhões, entre os quais R$ 152 milhões financiados pelo BNDES, também incluem a linha de transmissão associada e investimentos sociais no município de Caetité. A estimativa é que sejam criados 2 mil empregos.

A capacidade instalada das usinas eólicas em operação no Brasil teve um aumento de 126,7% em 2014, passando de 2.181 MW para 4.945 MW, segundo boletim da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A geração das usinas eólicas brasileiras em dezembro de 2014 alcançou 1.908 MW médios, número 143,3% maior que no mesmo período do ano anterior.

Durante 2014, o BNDES aprovou R$ 6,6 bilhões para novos projetos de geração eólica, que somados possuem 2.585,8 MW de potência instalada. Os financiamentos concedidos pelo BNDES em 2014 representam um aumento de 83,3% em relação ao montante aprovado no ano anterior, de R$ 3,6 bilhões. Desde 2003, o apoio do Banco à geração eólica somou R$ 20 bilhões, correspondentes a 7.287,8 MW.

Data: 15 de junho de 2015
Autor: Vanderlei Campos, com informações da CCEE e do BNDES

«Voltar



Apoio: