Por que ser uma Cidade Digital » Experiências de sucesso » Acesso gratuito, mas só com impostos em dia

Pedregulho: acesso gratuito, mas só com impostos em dia

 Até pouco tempo atrás, a cidade de Pedregulho, localizada no nordeste paulista, era conhecida apenas por seu café, ganhador de prêmios de qualidade. Desde setembro de 2007, porém, o município tem sido visitado por prefeitos interessados em implementar projetos de inclusão digital como o Cidadão Internet, que provê acesso gratuito à internet via Wi-Fi a todos os cidadãos e empresas pedregulhenses que estejam com seus impostos em dia. A iniciativa ainda engloba a conexão de prédios públicos, criação de telecentros, uma biblioteca virtual e uma rádio online.

“Já podemos chamar Pedregulho de 'Cidade Digital' pelos grandes avanços que obtivemos em menos de seis meses”, afirma o prefeito, Dirceu Polo.

O Cidadão Internet conta com sete antenas, espalhadas em pontos estratégicos do município de 15 mil habitantes e 321 mil quilômetros quadrados. São elas as responsáveis pela distribuição via rádio do sinal que dá acesso à rede mundial de computadores. Atualmente estão conectados prédios públicos, telecentros − onde há 50 terminais disponíveis para a população utilizar gratuitamente − e 500 famílias das áreas urbana e rural. Segundo a prefeitura, 60% do campo estão cobertos pelas antenas.

O custo do projeto limita-se aos R$ 3.472 pagos mensalmente à Telefônica pelo link de 4 Mbps. Os recursos vêm inteiramente do orçamento municipal. A instalação de antenas e o desenvolvimento dos sites da Prefeitura e da rádio online ficaram a cargo de Wagner do Nascimento, diretor do Departamento de Informática da Prefeitura. “Algumas antenas, até montei sozinho. Também subi em alguns prédios mais altos para instalar outras, que já estavam montadas”, diz Nascimento.

Palavra do prefeito

“Com a implantação do projeto, criamos uma espécie de igualdade digital para todas as camadas da população.”

Dirceu Polo

 

 Para utilizar a conexão de 64 kbps por máquina, o interessado deve preencher um formulário disponível no site e na sede física da prefeitura. Os dados (CPF, identidade e comprovante de residência) servem para garantir que não há nenhuma dívida relativa a pagamento de impostos, único empecilho, fora a ausência de computadores devidamente equipados, para se navegar na internet gratuitamente em Pedregulho. O mesmo procedimento é adotado em relação às empresas. Tudo estando certo, o cidadão ou empresário recebe uma senha de acesso que lhe dá direito a utilizar livremente a banda oferecida.


Para ajudar os comerciantes locais e os que visitam a cidade, o acesso na praça 18 de Março, a principal da cidade, não demanda senha. “Assim o comércio da cidade também é beneficiado”, lembra Nascimento.

Gestão municipal

O poder público não fica de fora. A prefeitura conectou todos os seus prédios e aproveitou a tecnologia para economizar nas contas de telefone. Com a implementação de um sistema de comunicação instantânea nos órgãos municipais, o gasto com telefonia caiu cerca de 30%, segundo cálculos do prefeito. Outra fonte de corte de custos são os pregões para compra de produtos para o município. Os fornecedores agora precisam se cadastrar no site da prefeitura para se comunicar com as secretarias e tentar vender seus bens e/ou serviços. A quantidade de ligações interurbanas, portanto, caiu e com ela os gastos. “Num único pregão previsto para R$ 56 mil, chegamos a economizar R$ 24 mil”, comemora Dirceu Polo.

 Segundo técnicos da prefeitura, alguns funcionários resistiram às novas tecnologias. Os empregados afirmavam que a mudança poderia provocar confusão nos procedimentos e foram contra a informatização. Porém, de acordo com Wagner Nascimento, os problemas foram resolvidos com conversas cotidianas e hoje não existem mais.

A iniciativa não se limita a oferecer conexão gratuita. As escolas foram interligadas e computadores, adquiridos para ajudarem no ensino e no aprendizado. Uma biblioteca virtual foi criada pelo Departamento de Informática sob plataforma Linux e oferece tradutor de idiomas, dicionários e enciclopédias. O acervo conta com livros eletrônicos, contos, lendas, fábulas e metáforas também em meio eletrônico para incentivar a população a ler. Além disso, a biblioteca virtual disponibiliza um software para treino de digitação.

Já está em fase de instalação um curso presencial de informática básica, a ser ministrado por técnicos da prefeitura a todos os moradores.

Telecentros foram montados, e atualmente há 50 máquinas disponíveis para os moradores em diferentes pontos do município. Com ajuda do Ministério das Comunicações, Pedregulho vai abrir mais um telecentro, no bairro de Bela Vista. A nova unidade contará com 31 computadores (10 doados pelo órgão federal), que serão instalados no prédio onde funciona a Câmara de Vereadores.

Outra iniciativa foi a criação, em dezembro, de uma rádio municipal online, a Cidade FM. A programação inclui, além de música, informações sobre as atividades governamentais e sobre o dia a dia da cidade.

A prefeitura agora programa a instalação de outras torres, que conectarão os distritos mais distantes de Estreito, Igaçaba e Alto Porã, localizados a até 40 km do centro da cidade. Outro link será adquirido para “iluminar” estas áreas rurais, inclusive a Usina Hidrelétrica de Estreito, localizada na região.

 Motivação

A história do Cidadão Internet começa com uma contradição percebida por Wagner do Nascimento. Responsável pelo desenvolvimento do site da prefeitura, ele percebeu que pouquíssimas pessoas poderiam acessar a página. Afinal, apesar de vários moradores terem computadores em casa ou em suas empresas, não eram muitos os que tinham recursos para pagar um provedor com acesso discado. “Não adiantaria muito ter um portal que ninguém lesse”, diz.

Assim, pesquisou preços e levou o projeto ao prefeito, que o aprovou. Técnico em informática, Nascimento não teve muito trabalho para montar a rede. Porém, ela foi feita aos poucos e com muitos testes de viabilidade. A fase de implementação técnica durou cerca de três meses. O sinal foi liberado para todos somente em setembro do ano passado. A idéia de pedir senha é, claro, estimular as pessoas a pagarem seus impostos municipais em dia e forçar as pessoas a acompanharem as novidades da prefeitura e da cidade na página inicial.

O site é abastecido com notícias produzidas pela equipe municipal de comunicação, mas também oferece feeds externos. “Agora as pessoas podem saber mais do que acontece em nossa cidade”, comemora Nascimento.

O baixo custo da iniciativa e a amplitude do acesso têm atraído prefeitos não só da região como também do Nordeste. Todos querem conhecer mais e pedir ajuda para fazer algo semelhante em suas localidades. Não à toa, o projeto é um caso de sucesso.

Ações mais rápidas e cidadãos mais satisfeitos

Para o prefeito de Pedregulho, Dirceu Polo, a cidade já pode ser considerada digital, pois oferece uma série de serviços para o cidadão e economiza em compras e serviços. Com todos os órgãos conectados, a ação da prefeitura está mais rápida e os cidadãos, mais satisfeitos. A seguir, leia a entrevista que Polo concedeu ao Guia das Cidades Digitais.

Guia das Cidades Digitais – Qual foi a principal motivação para implementar o Projeto Cidadão Internet?


Dirceu Polo – Somos um município cuja economia é baseada no agronegócio. Nossa população tem uma renda per capita que não permite o acesso pago a determinados serviços, como a Internet. Com a implantação do projeto, criamos uma espécie de “igualdade digital” para todas as camadas da população.

O acesso é permitido também pelos telecentros municipais que implantamos, hoje com quase 50 terminais gratuitos. Criamos a Biblioteca Virtual Municipal, que atinge mais de 1.800 acessos mensais. A internet via rádio ligada nas residências alcança cerca de 500 famílias atualmente. Fizemos também a parte administrativa. Hoje todos os departamentos da Prefeitura, bem como as escolas, o Fórum, a Delegacia de Polícia Militar, a Polícia Militar e o Cartório Eleitoral estão informatizados e com acesso gratuito à internet.

GCD – Quando o projeto começou? Já é possível sentir os efeitos dele sobre a população e os serviços a ela oferecidos?

Dirceu Polo – O projeto teve a fase de implantação técnica, que durou cerca de três meses, e passou a operar definitivamente em setembro. Instalamos seis torres transmissoras dos sinais e implantamos o site institucional, que passou a ser atualizado diariamente com notícias locais e de utilidade pública.

Em outubro e novembro começaram os pregões presenciais, cujo cadastro de fornecedores e editais passaram a ser feitos via eletrônica pelo site. Em dezembro, implantamos a Rádio Cidade FM, a primeira emissora online institucional da região que também dá entretenimento e utilidade pública com sua programação 24 horas no ar. Pela resposta da população em termos de acessos ao site, à emissora e aos serviços oferecidos, podemos dizer que o projeto é um sucesso absoluto, acima das expectativas iniciais.

GCD – O projeto gerou economia para a Prefeitura. De quanto?

Dirceu Polo – O aspecto economia pode ser analisado em várias vertentes. Houve redução da utilização de telefones interdepartamentos da Prefeitura; o sistema de torpedos online diminuiu em mais de 30% os gastos com ligações telefônicas internas. Hoje se usa a rede para comunicações entre os funcionários da prefeitura. Também economizamos com contas telefônicas de setores que são custeados pela Prefeitura, embora sejam serviços conveniados com os governos federal e estadual.

Podemos ainda usar como exemplo os pregões presenciais, em que fomos pioneiros na região. Desde a veiculação dos editais ao cadastramento de fornecedores pelo site até a própria realização do pregão presencial, tivemos economia média de 30% na compra de produtos. O pregão presencial, seja pelo registro de preços ou pela compra de lotes, gerou economia média em cada um desses eventos de 30%. Num único pregão previsto para R$ 56 mil, chegamos a economizar R$ 24 mil.

GCD – Em que secretaria o projeto está alocado?

Dirceu Polo – Este é um ponto interessante. Temos no projeto dois funcionários que viabilizam todo este sistema: Wagner Nascimento, diretor do Departamento de Informática, que desenvolveu todo o projeto, desde softwares até as aquisições de equipamentos necessários à implantação do Cidadão Internet, e o assessor de Comunicação Social, jornalista Hélio Rodrigues Ribeiro, encarregado de municiar o site institucional com as notícias e projetos da Prefeitura, além de cuidar da programação da rádio online. Como se percebe, conseguimos uma equipe enxuta e um sistema que funciona com eficiência, portanto, a baixo custo. Este modelo já atraiu a atenção de diversas cidades do País para conhecer nosso projeto. Podemos citar cidades do Pernambuco e Piauí e diversas do estado de São Paulo que foram instruídas sobre como implantar projeto semelhante e já o fizeram.

GCD – Há planos de expansão?

Dirceu Polo – Já podemos chamar Pedregulho de “Cidade Digital” pelos grandes avanços que obtivemos em menos de seis meses. Acabamos de implantar o acesso à internet gratuito, a céu aberto, na Praça 18 de Março pelo sistema Wi-Fi. Sentado na praça, qualquer cidadão da cidade ou visitante acessa a internet por celular ou laptop sem pagar absolutamente nada. Levar a internet gratuita à zona rural – fato já concretizado em 60% do previsto – é um fato inédito para uma cidade do interior com pouco mais de 15 mil habitantes. Aguardamos a viabilização do projeto do governo federal de instalar mais telecentros nas escolas e possibilitar a compra de computadores pessoais a preços mais acessíveis à população de baixa renda. Como a informática é uma coisa dinâmica, tentaremos manter nosso Projeto Cidadão Internet com este mesmo dinamismo, ampliando sempre este horizonte, fundamental para a inclusão social de nossas populações.

 

Data: 05 de maio de 2008
Autor: Marcelo Medeiros

«Voltar



Apoio: