Pesquisa TIC Governo Eletrônico 2013
E-gov: prefeituras online, mas sem interação

As prefeituras brasileiras estão conectadas à internet, a maioria em banda larga, mas ainda não utilizam a rede para se comunicar com os cidadãos e prestar serviços. Há também uma forte desigualdade entre cidades grandes (com mais de 500 mil habitantes) e pequenas. Estas são as principais conclusões da recente pesquisa TIC Governo Eletrônico 2013, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). É a primeira vez que esses dados são computados e disponibilizados. O levantamento entrevistou 572 órgãos públicos federais e estaduais e 334 prefeituras, de outubro a dezembro de 2013.

 

Mercado

 

Novos projetos

Mercado

 

Mercado

Mercado

 

Mercado

 

Consultoria prevê que montante mais que triplicará em relação ao alocado em 2014
Investimentos anuais em “smart cities” podem chegar a US$ 27,5 bilhões em 2023

Os investimentos em infraestrutura para montagem de cidades “smart cities”, ou cidades inteligentes, em todo o mundo podem chegar a US$ 27,5 bilhões em 2023, o triplo em relação aos US$ 8,8 bilhões projetados para 2014. Os dados são de relatório publicado em meados de julho pela consultoria Navigate Research e mostram um crescimento anual de 13,5%, que deve totalizar US$ 174 bilhões no período de dez anos. Segundo o estudo, a maior parte da demanda virá da Ásia. Em 2023, a expansão das grandes cidades do continente e a exigência de mais e melhores serviços devem fazer com que os investimentos em tecnologias ligadas às cidades inteligentes alcancem US$ 11,3 bilhões ao ano na região. Segundo as Nações Unidas, o número de pessoas vivendo em cidades crescerá de 3,6 bilhões para 6,3 bilhões entre 2010 e 2050. Europa e América do Norte virão logo atrás no montante investido. 

Organização das Nações Unidas
Brasil sobe duas posições em ranking de e-gov

Mesmo que lentamente, o Brasil tem melhorado seus indicadores de governo eletrônico e de participação política pela internet. É o que mostra o índice de desenvolvimento de e-gov das Nações Unidas, lançado no início de julho. O indicadorda ONU, publicado a cada dois anos, põe o Brasil na 57a posição de melhores serviços de governo eletrônico, duas posições acima da última pesquisa. O estudo também coloca o país na 24a colocação entre os com maior participação política pela rede mundial de computadores, sete a mais que em 2012.No índice de governo eletrônico, o Brasil obteve 0,6008 ponto, numa escala em que quanto mais perto de um, melhor posicionado está o país. Para efeito de comparação, a Coreia do Sul lidera o ranking com 0,9462. A pontuação considera basicamente indicadores quantitativos de capital humano, infraestrutura de telecomunicações e serviços públicos online.



Apoio: