Piso com células fotovoltaicas coleta energia do sol e transforma em eletricidade
Holanda testa “via elétrica”

Um consórcio de empresas holandesas, chamado SolaRoad, está desenvolvendo uma ideia com grande potencial para resolver problemas energéticos - um piso que produz eletricidade. A futurística ideia já está em teste na pequena cidade de Krommenie, no norte do país, onde 100 metros de asfalto de uma ciclovia receberam painéis fotovoltaicos que geram energia elétrica para a iluminação pública, residências e até bicicletas motorizadas. As companhias acreditam que cada metro quadrado da nova tecnologia seja capaz de produzir 50 kilowatts-hora por ano na Holanda. Em países mais ensolarados, como o Brasil, o potencial é maior. A verdadeira capacidade, no entanto, só será conhecida daqui a três anos. Até novembro de 2017, pesquisadores testarão os painéis para conhecer sua resistência a condições reais de uso e o impacto da novidade sobre os moradores da região. A aderência de pneus ao novo piso, por exemplo, ainda é uma questão a ser trabalhada.

Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras
Atlas mapeia desigualdades em regiões metropolitanas

Resultado de uma colaboração entre Ipea, PNUD e Fundação João Pinheiro, foi disponibilizado recentemente o Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras, uma publicação, de 126 páginas, que reúne indicadores de renda, longevidade e educação das 16 Regiões Metropolitanas. O estudo dimensiona e compara cronologicamente a qualidade de vida nas Unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs), conceito similar ao de “bairro”. A pesquisa constata disparidades de renda de até 3.500% no mesmo município, além de outros mapeamentos intra-regionais. A publicação do Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras é um desdobramento da iniciativa do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, um site que permite pesquisas sobre IDH em 5.565 municípios. O Atlas traz, além do IDH, mais de 200 indicadores de demografia, educação, renda, trabalho, habitação e vulnerabilidade, com dados extraídos dos Censos Demográficos de 1991, 2000 e 2010.

 

Novos Projetos

 

Novos projetos

Mercado

 

Artigo

Mercado

 

Mercado

 

Parceria com a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP)
USP será laboratório de cidades digitais

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e a Telefônica Vivo acabam de firmar um acordo de cooperação técnica para, a partir do início do ano, desenvolver soluções de serviços públicos e gestão urbana. “Ter como testar as funcionalidades das novas tecnologias nos dá condições de chegar ao mercado, que são as prefeituras, com propostas mais maduras” resume Sílvio Antunes, diretor de Desenvolvimento de Negócios da operadora. “Cada município tem sua prioridade e não existe solução de prateleira para Cidades Inteligentes. O objetivo (da parceria com a USP) é explorar ao extremo as alternativas tecnológicas, para quando chegarmos ao administrador público termos várias possibilidades já testadas na USP”, esclarece. A população da USP é de cerca de 100 mil estudantes, 6 mil professores e 17 mil funcionários, em 11 campi. Os projetos começam a ser implementados no início do ano e uma das primeiras áreas de pesquisa é em sistemas inteligentes de iluminação pública.

Programa Conecta Recife
Capital pernambucana terá 74 pontos gratuitos de WiFi

Moradores e turistas do Recife (PE) poderão, em breve, conectar-se gratuitamente à internet em diversos pontos da cidade. A prefeitura local anunciou, recentemente, o programa Conecta Recife, que disponibiliza 74 hotspots na capital pernambucana. A iniciativa é uma parceria entre a Empresa Municipal de Informática (Emprel) e a Secretaria de Turismo e Lazer. Implementação e custeio foram orçados em R$ 10,6 milhões, que virão do cofre municipal. “São mercados, praças, áreas públicas e parques onde o cidadão recifense pode se conectar a uma rede de alta velocidade. É um programa importante de inclusão social e digital” , discursou o prefeito Geraldo Julio. Para usufruir do serviço, o internauta precisa se cadastrar no site do programa ou preencher os dados requisitados ao pedir acesso à rede. Os formulários estão disponíveis em português e inglês, a fim de facilitar a vida de turistas estrangeiros.



Apoio: